SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.17 issue49Influence of continuous subcutaneous insulin infusion in the control of type 1 diabetes in childrenInvestigation of the Efficiency of the TNO Test for the Early Detection of Amblyopia in Primary Care author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

  • On index processCited by Google
  • Have no similar articlesSimilars in SciELO
  • On index processSimilars in Google

Share


Enfermería Global

On-line version ISSN 1695-6141

Abstract

MORAES, Danielle Chianca de Andrade et al. O conhecimento de pessoas vivendo com HIV/AIDS sobre a Terapia Antirretroviral. Enferm. glob. [online]. 2018, vol.17, n.49, pp.96-141.  Epub Jan 01, 2018. ISSN 1695-6141.  http://dx.doi.org/10.6018/eglobal.17.1.274001.

Com o objetivo de analisar o conhecimento das pessoas vivendo com HIV/AIDS (PVHA) sobre a terapia antirretroviral (TARV), desenvolveu-se um estudo descritivo, transversal, de abordagem quantitativa, nos Serviços de Assistência Especializada (SAE) dos municípios de Caruaru e Garanhuns-PE, Brasil. Participaram do estudo 256 PVHA. Os dados foram analisados através de estatística descritiva e inferencial (testes: Qui-quadrado de Pearson, Exato de Fisher; e de Verossimilhança). Verificou-se que a maioria dos entrevistados eram homens; entre 30 a 49 anos. Apenas 56 PVHA apresentaram ensino médio/superior. Percebeu-se que faixa etária, religião, escolaridade e renda familiar estão significativamente associadas (p0,05) ao nível de conhecimento sobre TARV. Quanto ao conhecimento acerca da ação dos antirretrovirais, 27,7% não sabiam ou referiram, erroneamente, que a medicação age destruindo totalmente o HIV. A respeito da indicação da TARV, 82% responderam que é indicada para o controle do vírus no organismo. Quanto à duração do tratamento, 12,5% referiram que este dura até a normalidade nos resultados dos exames. Sobre conhecimento acerca das precauções com uso de outros medicamentos, 25% referiram que podem fazer uso de qualquer outro medicamento, independentemente da orientação médica. Os efeitos adversos gastrointestinais e psiquiátricos foram os mais conhecidos (69,1% e 39,8%). Conclui-se que o conhecimento sobre a terapêutica trata-se de um aspecto que pode contribuir para uma adesão inadequada e que deve ser trabalhado pelos profissionais de saúde que atuam nos SAEs.

Keywords : HIV; Síndrome de Imunodeficiência Adquirida; Antirretrovirais; Conhecimento do Paciente sobre a Medicação.

        · abstract in English | Spanish     · text in English | Spanish | Portuguese     · English ( pdf ) | Spanish ( pdf ) | Portuguese ( pdf )