SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.60 número232 índice de autoresíndice de materiabúsqueda de artículos
Home Pagelista alfabética de revistas  

Servicios Personalizados

Articulo

Indicadores

Links relacionados

  • En proceso de indezaciónCitado por Google
  • No hay articulos similaresSimilares en SciELO
  • En proceso de indezaciónSimilares en Google

Compartir


Archivos de Zootecnia

versión impresa ISSN 0004-0592

Arch. zootec. vol.60 no.232 Córdoba dic. 2011

http://dx.doi.org/10.4321/S0004-05922011000400026 

 

 

Desenvolvimento do sistema digestório de frangos de corte alimentados com farinha de batata doce

Development of the digestive tract of broilers fed diets containing sweet potato meal

 

 

Nunes, J.K.1*, Gonçalves, F.M.1A, Dallmann, H.M.1B, Gentilini, F.P.1C, Anciuti, M.A.2, Rutz, F.1D, Maier, J.C.1E e Silva, J.G.C. da3

1Departamento de Zootecnia. FAEM/UFPEL. Pelotas-RS. Brasil. *julianaklug@yahoo.com.br; Afmedeiros_fv@ufpel.edu.br; Bhenriquedallmann@yahoo.com.br; Cfabianepg@brturbo.com.br; Dfrutz@ufpel.edu.br; Ejcmaier@ufpel.edu.br
2Conjunto Agrotécnico Visconde da Graça. IFSUL. Pelotas-RS. Brasil. anciuti@brturbo.com.br
3Departamento de Estatística. UFPEL. Pelotas-RS. Brasil. jgcs1804@yahoo.com.br

 

 


RESUMO

Foi avaliado o desenvolvimento do sistema digestório de frangos de corte alimentados com farinha de batata doce em substituição parcial ao milho, com ou sem suplementação de um complexo enzimático. Cento e cinquenta pintos de um dia de idade, machos, da linhagem Cobb, foram alojados em 40 boxes de duas baterias metálicas onde permaneceram até os 28 dias de idade. O delineamento experimental foi o de blocos ao acaso em arranjo fatorial 3 x 2, com três níveis de farinha de batata doce (0, 20 e 40%) e dois do complexo enzimático (0 e 200 g/ton), com 5 repetições de 5 aves por tratamento. Aos 14, 21 e 28 dias de idade, foram pesadas e sacrificadas por deslocamento crânio-cervical, 5 aves por tratamento, para avaliação alométrica do coração, fígado, proventrículo e moela e biométrica do duodeno, jejuno, íleo, cólon-reto e cecos. Os dados foram submetidos à análise da variação e regressão polinomial. O aumento de farinha de batata doce em substituição ao milho na dieta de frangos de corte interfere negativamente no peso corporal e no desenvolvimento de órgãos. A suplementação do complexo enzimático não influencia a alometria de órgãos e a biometria intestinal dos frangos de corte.

Palavras chave: Alimentação alternativa. Alometria. Biometria.


SUMMARY

The development of the digestive tract of broilers fed diets containing sweet potato meal in partial replacement of corn, with or without enzyme supplementation. One hundred and fifty a day old, male, Cobb chickens, were allocated in 40 pens of two batteries where they remained until 28 days old. A completely randomized experimental design was used. Treatments were distributed in a 3 x 2 factorial arrangement, in which three levels of sweet potato meal (0, 20 and 40%) and two levels of enzyme complex (0 or 200 g/ton), with a total of 5 replicates of 5 birds per treatment. At 14, 21 and 28 days of age, 5 birds per treatment were slaughtered by cervical deslocation to evaluate the allometric development of heart, liver, proventriculus ans gizzard and biometric development of duodenum, jejunum, ileum, colon, rectum and ceca. Data were analyzed by analyse of variance and polynomial regression. The use of increasing dietary levels of sweet potato meal bring about a decrease in body weight and in organ development. The enzyme supplementation does not influence the allometry of organs and intestinal biometric of broilers.

Key words: Alternative feeding. Allometry. Biometry.


 

Introdução

Após a eclosão, as mudanças morfológicas e fisiológicas que ocorrem no trato gastrointestinal são importantes para proporcionarem um aumento na superfície de digestão e absorção (Macari et al., 2002), visto que na primeira semana de vida dos frangos de corte, o crescimento alométrico do intestino delgado e do fígado é quatro e duas vezes maior, respectivamente, em relação ao peso corporal (Nir et al., 1993).

Devido à variação na qualidade nutricional, a disponibilidade e as oscilações dos preços dos grãos de cereais, os pesquisadores estão buscando alimentos alternativos para o arraçoamento das aves. Entretanto, a substituição do milho e do farelo de soja pode ser limitada pela composição bromatológica e presença de fatores antinutricionais nos possíveis sucedâneos desses grãos (Oliveira et al., 2000).

Um dos alimentos que pode vir a substituir o milho é a farinha de batata doce (FBD), porém na literatura não estão disponíveis dados comprobatórios da sua eficiência. A batata doce (Ipomoea batatas) é um alimento energético, disponível o ano todo, que tem o Brasil como maior produtor da raiz no continente latino-americano, e as regiões Sul e Nordeste do país com as maiores produções (FAO, 2009).

A farinha de batata doce, segundo Rostagno et al. (2005), apresenta, em base seca, 4,36 % de proteína bruta, 3,03% de fibra bruta, 1,03% de extrato etéreo, 3,38% de cinzas, 3050 kcal/kg de energia metabolizável e 70,90% de amido. O amido do milho como o da farinha de batata doce possui maior percentual de amilopectina o que poderia torná-lo mais digestível (Gonçalves et al., 2009). Porém, conforme o tratamento térmico e umidade a que é submetida a batata doce pode ser formado maior quantidade de amido resistente (Lin et al., 2008), inibidor da digestão que reduz a ação de enzimas, como a tripsina, o que prolonga a digestão e favorece a fermentação do alimento no trato intestinal (Wyatt e Bedford, 1998).

Assim sendo, as enzimas exógenas podem ser suplementadas para auxiliar no processo digestivo, isso porque atuam na fase ileal da digestão prevenindo a formação de um conteúdo viscoso, e na fase cecal degradando os polissacarídeos não amídicos em moléculas menores que podem ser fermentadas pela microbiota intestinal em ácidos graxos voláteis (Bedford e Apajalahti, 2001). Portanto, elas são capazes de aumentar a disponibilidade de proteínas, gorduras e polissacarídeos de reserva (Campestrini et al., 2005).

A pesquisa teve por objetivo avaliar o desenvolvimento do sistema digestório de frangos de corte alimentados com farinha de batata doce em substituição parcial ao milho, com ou sem suplementação de um complexo enzimático.

 

Material e métodos

O estudo foi conduzido no aviário de frangos de corte do Departamento de Zootecnia, da Universidade Federal de Pelotas. Utilizou-se 150 pintos de corte de um dia de idade, macho, da linhagem Cobb, com peso médio inicial de 44,6 g. As aves foram alojadas em boxes com duas baterias metálicas, onde permaneceram até os 28 dias de idade. Cada boxe possuía 1,00 m x 0,70 m, um comedouro do tipo calha e um bebedouro do tipo copo. A ração farelada e a água foram fornecidas à vontade. A temperatura e a umidade relativa do ar no aviário foram registradas por um termohigrômetro. A iluminação foi realizada por lâmpadas incandescentes de 60 W e o programa de luz controlado por relógio timer.

O delineamento experimental adotado foi o de blocos ao acaso em arranjo fatorial 3 × 2, sendo três níveis de farinha de batata doce (0, 20 e 40%) em substituição ao milho e 0 ou 200 g/ton de um complexo enzimático. As aves foram pesadas individualmente, classificadas em cinco grupos de 30 aves e distribuídos em 30 boxes, que foram classificados em cinco grupos de seis boxes homogêneos quanto às características do ambiente. Após, cada unidade experimental (boxe com cinco aves) recebeu uma das seis combinações dos níveis dos fatores FBD e CE. O período de avaliação foi dividido em fases pré-inicial ou adaptativa (1 a 7 dias de idade), inicial (8 a 14 dias de idade) e de crescimento (15 a 28 dias de idade). As formulações das dietas estão disponibilizadas nas tabelas I e II.

 

A farinha de batata doce foi obtida das raizes descartadas na lavoura, que foram trituradas e secadas em sombrite plástico disposto sobre ripados de madeira por aproximadamente 48 horas e temperatura em torno de 45oC. Após a secagem foram trituradas a granulometria semelhante a do milho. Uma amostra foi avaliada no Laboratório de Nutrição Animal da UFPEL e apresentava em sua composição 88,72% de matéria seca, 4,56% de proteína bruta, 4,96% de fibra bruta, 1,58% de cinzas e 3 450 kcal/kg de energia bruta.

O complexo enzimático produzido a partir de uma cepa, não transgênica, de Aspergillus niger, composto por fitase, protease, xilanase, β-glucanase, celulase, amilase e pectinase, foi incorporado às rações de forma on top.

Aos 14, 21 e 28 dias de idade, cinco aves por tratamento foram escolhidas aleatoriamente, pesadas individualmente e sacrificadas por deslocamento da articulação crânio-cervical para a realização da necropsia e coleta das vísceras.

As avaliações alométricas foram procedidas através da pesagem (g), em balança digital, do coração, do fígado, do proventrículo e da moela após ser aberta por incisão longitudinal para a retirada do conteúdo. Os segmentos intestinais, duodeno, jejuno, íleo, cólon-reto e cecos, foram medidos (cm) separadamente com o auxílio de uma fita métrica.

Os dados coletados foram submetidos à análise de variância para os testes de significâncias dos efeitos principais e da interação de farinha de batata doce e complexo enzimático, seguida da decomposição da variação entre os níveis do fator farinha de batata doce em componentes polinomiais. As decomposições e os ajustamentos de funções de resposta foram procedidos globalmente para os dois níveis do complexo enzimático ou separadamente para cada um desses níveis, respectivamente nas situações de ausência ou presença de significância da interação farinha de batata doce e complexo enzimático. O nível de significância de 5% foi utilizado para os testes realizados.

O modelo estatístico foi expresso pela equação:

Foram admitidas as pressuposições de que os termos m, ai, bj e abij são efeitos fixos, e ñk e eijk são efeitos aleatórios não correlacionados, com distribuições normais e variâncias homogêneas.

 

Resultados e discussão

O processamento aplicado pode ter reflexo sobre o valor nutricional dos alimentos energéticos. Lin et al. (2008) reportaram que o tratamento com calor e baixa umidade da batata doce promove a formação de amido resistente, ou seja, fração de amido não digerida no intestino delgado, sendo fermentada no intestino grosso. Portanto, com atuação similar à da fibra alimentar (Shamal et al., 2003).

A interação farinha de batata doce e complexo enzimático não influenciou (p> 0,05) as variáveis alométricas dos órgãos e biométricas dos intestinos avaliadas aos 14, 21 e 28 dias de idade dos frangos de corte (tabelas III, IV e V).

O peso do fígado dos frangos de corte apresentou diferença significativa (p< 0,05) entre os níveis de farinha de batata doce, representada por equação de regressão polinomial linear decrescente, aos 14 dias de idade (tabela III) e efeito linear decrescente aos 21 dias de idade das aves (tabela IV) o quepode ter ocorrido pela composição das dietas que ocasionou redução da sua função metabólica.

Utilizando sorgo alto e baixo tanino em substituição a percentuais de milho na dieta de frangos de corte, Garcia et al. (2005) não observaram efeito significativo sobre a percentagem de fígado, moela, proventrículo e intestinos das aves aos 14, 21, 28, 35 e 42 dias de idade.

O peso do coração (p= 0,0005), aos 14 dias de idade dos frangos de corte, apresentou diferença significativa entre os níveis de farinha de batata doce e complexo enzimático, sendo esta representada por equação de regressão polinomial linear decrescente (tabela III) e pode ter ocorrido por diminuição do metabolismo, pois de acordo com Macari et al. (2002), a maior atividade metabólica faz com que o trabalho cardíaco aumente para que o sangue passe um maior número de vezes nos pulmões para a oxigenação e isso leva a hipertrofia e consequentemente aumento do peso do coração.

Aos 14 dias de idade das aves, para o comprimento do jejuno verificou-se efeito significativo dos níveis de farinha de batata doce com resposta polinomial linear crescente. Aos 21 dias de idade dos frangos de corte, os pesos do proventrículo e da moela foram influenciados (p<0,05) pelos níveis de farinha de batata doce utilizados em substituição ao milho, com efeito quadrático e linear decrescente, respectivamente. Para esta mesma idade das aves, também se observou que os percentuais de farinha de batata doce afetaram significativamente o comprimento do cólon-reto com resposta polinomial quadrática (tabela IV). Derivando-se as equações de regressão polinomial obteve-se como pontos de máximo 25,50% e 20,25%, ou seja, nestes níveis de farinha de batata doce as aves apresentarão maior peso do proventrículo e maior comprimento do cólon-reto, respectivamente.

Gonzáles-Alvarado et al. (2008) verifivecaram maior peso relativo do proventrículo de frangos de corte alimentados com casca de soja e arroz em substituição ao milho. Os autores atribuíram o resultado à alta capacidade de solubilidade da casca de soja em água, que promoveu redução da passagem do conteúdo alimentar do proventrículo para a moela. Entretanto, Hetland e Svihus (2001), ao utilizarem dietas com baixo teor de fibra na alimentação de frangos de corte observaram hipertrofia do proventrículo e atrofia da moela, mas ao aumentar a fibra na dieta verificaram aumento do peso da moela.

Estudando o efeito da granulometria do milho nas rações de frangos de corte, Ribeiro et al. (2002), observaram que ao receberem partículas médias e grossas para fazer a maceração os músculos da moela hipertrofiaram. Corroborando com este autor,  Hetland et al. (2005), verificaram menor desenvolvimento da moela de frangos de corte alimentados com grãos finamente moídos.

Portanto, a composição das dietas experimentais e o aumento da pulverulência da ração com o aumento do teor de farinha de batata doce na dieta podem ser explicações para os resultados constatados para pesos da moela e do proventrículo e comprimento do cólon-reto.

Aos 28 dias de idade das aves observouse efeito (p<0,05) da farinha de batata doce, com resposta polinomial linear decrescente, sobre o peso corporal dos frangos de corte. Para o efeito do complexo enzimático verificou-se significância sobre o comprimento do cólonreto e média do comprimento dos cecos, ambos com resposta polinomial linear crescente. Nesse mesmo dia de avaliação, também se verificou efeito quadrático para o comprimento do jejuno com ponto de máximo de 22,33% independentemente da suplementação com o complexo enzimático (tabela V).

Avaliando o efeito de uma dieta à base de tremoço, que contém alto teor de fibra, e de outra à base de farelo de soja, ou seja, com baixo percentual de fibra, Olkowski et al. (2005) encontraram maiores pesos e comprimentos relativos do duodeno, jejuno, íleo e cecos para os frangos de corte que consumiram dieta à base de tremoço. Esses autores relacionaram os resultados à menor disponibilidade de nutrientes devido às características consistentes com hiperplasia adaptativa da mucosa intestinal.

Pinheiro et al. (2008) realizaram experimento para avaliar os efeitos da utilização de enzimas exógenas em dietas para frangos de corte em crescimento, baseadas em milho e farelo de soja, com níveis baixo e alto de fibras e verificaram que o peso dos cecos foi maior para as aves que consumiram a dieta com alta fibra (p<0,05).

Zhang et al. (1993), trabalharam com frangos de corte de 7 a 21 dias de idade e verificaram que o aumentando a temperatura de extrusão da soja de 104oC para 155oC ocorreu melhora no ganho de peso das aves e atribuíram o resultado a redução de fatores antinutricionais e aumento da digestibilidade de aminoácidos.

Considerando-se que a fase pré-inicial representa cerca de 20% do período total de vida do frango de corte e que a nutrição da primeira semana de vida apresenta forte correlação com o peso dos animais aos sete dias de idade e com o peso de abate (Uni e Ferket, 2004), sugere-se que para estudos posteriores as dietas sejam formuladas com base em aminoácidos digestíveis e que a farinha de batata doce seja fornecida a partir da segunda semana de vida dos frangos de corte.

 

Conclusões

O aumento do percentual de farinha de batata doce em substituição ao milho na dieta de frangos de corte interfere negativamente no peso corporal, no peso de órgãos e no comprimento dos segmentos intestinais.

A suplementação do complexo enzimático (fitase, protease, xilanase, βglucanase, celulase, amilase e pectinase) não influencia a alometria de órgãos e a biometria intestinal dos frangos de corte.

 

Bibliografia

Bedford, M.R. and Apajalahti, J. 2001. Microbial interactions in response to exogenous enzyme utilization. In: Bedford, M.R., Partrige, G.G. (Eds.). Enzymes in farm animal nutrition. CABI Publishing. Guelph. pp. 299-314.         [ Links ]

Campestrini, E., Silva, V.T.M. e Appelt, M.D. 2005. Utilização de enzimas na alimentação animal. Rev. Eletr. Nutritime, 2: 254-267.         [ Links ]

FAO. 2009. FAOSTAT 2007. FAO statistical databases. 2007. www.fao.org.br (18/12/09).         [ Links ]

Garcia, R.G., Mendes, A.A., Andrade, C., Paz, I.C.L.A., Takahashi, S.E., Pelícia, K., Komiyama, C.M. e Quinteiro, R.R. 2005. Avaliação do desempenho e de parâmetros gastrintestinais de frangos de corte alimentados com dietas formuladas com sorgo alto tanino e baixo tanino. Ciênc. Agrotecnol., 29: 1248-1257.         [ Links ]

Gonçalves, M.F.V., Sarmento, S.B.S., Dias, C.T.S. e Marquezini, N.M. 2009. Tratamento térmico do amido de batata-doce (Ipomoea batatas L.) sob baixa umidade em microondas. Ciênc. Tecnol. Alim., 29: 270-276.         [ Links ]

Gonzáles-Alvarado, J.M., Jiménez-Moreno, E., Valencia, D.G., Lázaro, R. and Mateos, G.G. 2008. Effects of fiber source and heat processing of the cereal on the development and pH of the gastrointestinal tract of broilers fed diets based on corn or rice. Poultry Sci., 87: 1779-1795.         [ Links ]

Hetland, H., Svihus, B. and Choct, M. 2005. Role of insoluble fiber on gizzard activity in layers. J. Appl. Poultry Res., 14: 38-46.         [ Links ]

Hetland, H. and Svihus, B. 2001. Effects of oat hulls on performance gut capacity and feed passage time in broiler chickens. Brit. Poultry Sci., 42: 354-361.         [ Links ]

Lin, J.H., Wang, S.W. and Chang, Y.H. 2008. Effect of molecular size on gelatinization thermal properties before and after annealing of rice starch with different amylose contents. Food Hydrocoll., 22: 156-163.         [ Links ]

Macari, M., Furlan, R.L. e Gonzáles, E. 2002. Fisiologia aviária aplicada a frangos de corte. 2a ed. FUNEP/FAPESP. Jaboticabal. pp. 375.         [ Links ]

Nir, I., Shefet, G. and Nitsan, Z. 1993. Effect of grain particle size performance. 2. Grain texture interactions. Poultry Sci., 73: 781-791.         [ Links ]

Olkowski, B. I., Classen, H. L., Wojnarowicz, C. and Olkowski, A.A. 2005. Feeding high levels of lupine seeds to broiler chickens: plasma micronutrient status in the context of digesta viscosity and morphometric and ultrastructural changes in the gastrointestinal tract. Poultry Sci., 84: 1707-1715.         [ Links ]

Oliveira, P.B., Murakami, A.E., Garcia, E.R.M., Macari, M. e Scapinello, C. 2000. Influência de fatores antinutricionais da Leucena (Leucaena leucocephala e Leucaena cunningan) e do feijão Guandu (Cajamus cajan) sobre o epitélio intestinal e desempenho de frangos de corte. Rev. Bras. Zootecn., 6: 1759-1769.         [ Links ]

Pinheiro, C.C., Rego, J.C.C., Ramos, T.A., Silva, B.K.R. e Warpechowski, M.B. 2008. Digestibilidade dos nutrientes e desempenho de frangos de corte consumindo dietas formuladas com diferentes níveis de fibra e suplementadas com enzimas exógenas. Ciênc. Anim. Bras., 9: 984-996.         [ Links ]

Ribeiro, A.M.L., Magro, N. e Penz Júnior, A.M. 2002. Granulometria do milho em rações de crescimento de frangos de corte e seu efeito no desempenho e metabolismo. Rev. Bras. Ciênc. Avíc., 4: 41-47.         [ Links ]

Rostagno, H.S., Albino, L.F.T., Donzele, J.L., Gomes, P.C., Oliveira, R.F., Lopes, D.C., Ferreira, A.S. e Barreto, S.L.T. 2005. Tabelas brasileiras para aves e suínos. Composição de alimentos e exigências nutricionais. 2a ed. Departamento de Zootecnia. UFV. Viçosa. 186 pp.         [ Links ]

Shamal, K., Bianco-Peled, H. and Shimoni, E. 2003. Polymorphism of resistant starch type III. Carbohydrate polymers. Kidlington Oxford. Carbohyd. Polym., 54: 363-369.         [ Links ]

Uni, Z. and Ferket, R.P. 2004. Methods for early nutrition and their potential. World's Poultry Sci., 60: 101-111.         [ Links ]

Wyatt, C.L. e Bedford, M.R. 1998. Uso de enzimas nutricionais para maximizar a utilização de nutrientes pelo frango de corte em dietas à base de milho: recentes progressos no desenvolvimento e aplicação prática. Seminário Técnico Finnfeeds. FINNFEEDS. Curitiba. pp. 2-12.         [ Links ]

Zhang, Y., Parsons, C.M., Weingartner, K.E. and Wijeratne, W.B. 1993. Effects of extrusion and expelling on the nutritional quality of conventional and Kunitz trypsin inhibitor-free soybeans. Poultry Sci., 72: 2299-2308.         [ Links ]

 

 

Recibido: 3-6-10
Aceptado: 8-11-10.