SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.17 issue49Evaluation of randomized clinical essays developed by nurses according to the consort declaration criteriaInterventions to reduce alcohol consumption in adolescents: a systematic review author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

My SciELO

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

  • On index processCited by Google
  • Have no similar articlesSimilars in SciELO
  • On index processSimilars in Google

Share


Enfermería Global

On-line version ISSN 1695-6141

Enferm. glob. vol.17 n.49 Murcia Jan. 2018  Epub Jan 01, 2018

http://dx.doi.org/10.6018/eglobal.17.1.277841 

Revisiones

O uso do blog como estratégia de educação continuada em enfermagem: uma revisão integrativa da literatura

Bernadete de L. O. da Silva Almeida1  , Bárbara Pompeu Christovam2  , Dayse Mary da Silva Correia3 

1 Enfermera. Alumna de Máster del Curso de Maestría Profesional en Enfermería Asistencial de la EEAAC/UFF- Brasil.

2 Doctora en Enfermería. Docente de los Programas de Maestría Profesional en Enfermería Asistencial y de Maestría. Investigadora del área de Desarrollo Tecnológico de la FAPERJ. Niterói (RJ), Brasil.

3 Doctora en Ciencias Cardiovasculares. Docente del Programa de Maestría Académica en Ciencias del Cuidado en Salud de la EEAAC/UFF. Niterói (RJ), Brasil.

RESUMO:

Objetivo

Identificar a produção científica acerca da utilização de blogs por enfermeiros como ferramenta para educação continuada.

Método

Trata-se de uma revisão integrativa de literatura de artigos completos, norteada pela questão de pesquisa: “O que se sabe sobre a utilização de blogs por enfermeiros como tecnologia educacional?”.

Resultados

Foi realizada busca online nas bases de dados CINAHL, IBECS e Web of Science. Após serem aplicados os critérios de inclusão e exclusão, foram selecionados para análise nove artigos.

Conclusões

A utilização do blog como estratégia de educação continuada em enfermagem possui potencial inovador e abre um espaço para a informação, reflexão e colaboração entre os usuários, disseminando boas práticas e melhorando o desempenho profissional.

Palavras chave: Blogs; Instrução por Computador; Educação Continuada em Enfermagem

INTRODUÇÃO

A incorporação de novas tecnologias acarreta novas demandas, muitas vezes aumentando a intensidade do trabalho, requisitando a multidisciplinaridade do conhecimento e trabalhadores com especialidades diversas e complementares. O processo de inovação é complexo, não linear, incerto e requer interação entre os profissionais, instituições e gestores.

A inovação tecnológica, quando usada em favor da saúde, contribui diretamente com a qualidade, eficácia, efetividade e segurança do cuidado, ou seja, quando utilizada de maneira adequada cria condições que contribuem para um viver saudável entre os indivíduos que na sociedade são produtos e produtores. Assim, acredita-se que há espaço para a tecnologia e o cuidado ético/humanizado1. A tecnologia digital oferece oportunidades para a utilização de estratégias de aprendizagem móveis em ambientes de saúde2.

A palavra "blog" é uma abreviatura do termo "Web log": um registro na web3. A tela parece muito como uma web página. Manter um log (uma espécie de diário) envolve postar mensagens regulares e passagem de informações relativamente curtas, que podem ser de interesse para os outros. Os lançamentos podem variar e podem incluir fotografias, vídeos ou clipes de áudio, dependendo da capacidade do blog e seu hospedeiro e plataforma. Manter um registro é uma atividade familiar para muitos, mas o que faz blogging diferente é que mensagens são compartilhadas com um potencial grande número de pessoas.

Blogs podem ser públicos e qualquer pessoa que tenha acesso à Internet pode lê-los, ou fechados e usar um sistema de senha. A finalidade é geralmente divulgar informações e partilhar experiências ou ideias com outras pessoas4.

Os blogs se tornaram um dos principais canais de comunicação da internet. O blog tem sido utilizado tanto por empresas como por profissionais liberais como uma forma de divulgar rapidamente suas ideias de um modo simples e rápido. Basicamente, um blog é um conjunto de mensagens curtas ou longas que são conhecidas como posts. Estas mensagens são dispostas em ordem decrescente de data da postagem.

O crescimento dos blogs mostra claramente uma grande tendência, a de que as pessoas têm a necessidade de compartilhar conhecimento e se mostrarem ao mundo. Esta imensa rede de blogs forma o que chamamos de blogosfera, cujo poder de comunicação cresce a cada dia5.

Assim, com base no exposto, delimitou-se como objetivo para o presente estudo, caracterizar a produção científica acerca da utilização de blog pelo enfermeiro como ferramenta para educação continuada.

MÉTODO

Trata-se de um estudo de revisão integrativa da literatura6, método de investigação que viabilizou a busca, avaliação e síntese das evidências disponíveis sobre a utilização de blogs por enfermeiros para a educação continuada.

Foram seguidas as seis etapas deste método: estabelecimento da questão de pesquisa, a busca na literatura, categorização dos estudos, avaliação dos estudos, interpretação dos resultados e apresentação da revisão. A questão norteadora da pesquisa foi: “O que se sabe sobre a utilização de blogs por enfermeiros como tecnologia educacional?”.

Para busca das produções foram utilizados os seguintes descritores cadastrados no Portal de Descritores das Ciências da Saúde (DeCs): Blogs and Computer-Assisted Instruction and Education, Nursing, Continuing. As bases de dados consultadas foram a Cumulative Index to Nursing and Allied Health Literature (CINAHL), Índice Bibliográfico Español de Ciencias de la Salud (IBECS) e Web of Science. Na base de dados Web of Science foi substituído o operador booleano and por or após o descritor blogs, sendo realizado refinamento da pesquisa com aplicação do filtro assunto nursing, o que possibilitou a recuperação de um número maior de artigos.

A busca foi realizada no mês de junho de 2016. Os critérios de inclusão foram: artigos publicados em periódicos científicos nacionais e internacionais que tratem do tema utilização de blogs por enfermeiros como tecnologia educacional; publicados no período entre 2006 a 2016; divulgados nos idiomas português, inglês ou espanhol. Os critérios de exclusão aplicados foram: publicações não disponíveis em texto completo; publicações que apresentavam texto completo disponível, porém não permitiam acessá-los na íntegra; estudos que não respondiam à questão da pesquisa. O fluxograma com a estratégia de busca e seleção das produções é apresentado na Figura 1.

Figura 1 Fluxograma da estratégia de busca e seleção das produções que compuseram a amostra da revisão integrativa. 

Para a extração e síntese dos dados das produções selecionadas, utilizou-se um formulário contendo as seguintes informações: título/autores, objetivo principal, metodologia, nível de evidência, principais resultados e conclusões. A análise dos dados extraídos foi realizada de forma descritiva, utilizando a técnica de análise de conteúdo temática o que permitiu a avaliação do nível e qualidade das evidências disponíveis sobre acerca da temática em estudo, além de identificar as lacunas do conhecimento para o desenvolvimento de futuras pesquisas.

No que tange ao nível de evidência, os estudos que compuseram a amostra desta revisão foram analisados com base no sistema de classificação de seis níveis, a saber: Nível I- estudos relacionados à meta análise de múltiplos estudos controlados; Nível II- estudos experimentais individuais; Nível III- estudos quase experimentais, como ensaio clínico não randomizado, grupo único pré e pós-teste, além de séries temporais ou caso controle; Nível IV- estudos não experimentais, como pesquisa descritiva, correlacional e comparativa, com abordagem qualitativa e estudos de caso; Nível V- dados de avaliação de programas obtidos de forma sistemática; e Nível VI- opiniões de especialistas, relatos de experiências, consensos, regulamentações e legislações7

RESULTADOS

Dentre os 122 estudos inicialmente encontrados, foram selecionados aqueles que tratavam diretamente da utilização de blogs pela enfermagem como tecnologia educacional. Após leitura dos resumos e aplicação dos critérios de inclusão e de exclusão deste estudo, restaram então 08 artigos para análise, conforme demonstrado no Quadro 1.

Quadro 1 Estudos incluídos na revisão integrativa segundo tipo de estudo, fonte de dados, país e ano de publicação. Rio de Janeiro, 2016. 

Estudo / Título País Fonte de Dados Tipo de Estudo Ano
E1 - Mobile learning: a workforce development strategy for nurse supervisors(2) Austrália Stud Health Technol Inform Quantitativo, Descritivo 2014
E2 - Disseminating best practice through a web log(4) Inglaterra Nursing Standart Descritivo 2010
E3 - You can lead a horse to water, but you can’t make it blog?(8) EUA Online Journal of Nursing Reflexão 2012
E4 - Blogging as a venue for faculty development(9) EUA Nursing Education Perspectives Relato de Experiência 2006
E5 - The nursing students’ attitude toward using blogs in a nursing clinical practicum in Taiwan: a 3-R framework(10) China Nurse Education Today Quantitativo, Exploratório 2012
E6 - Use of a blog in an undergraduate nursing leadership course(11) EUA Nurse Education in Practice Editorial 2015
E7 - Blogged nursing analysis of the phenomenon and contextualization in the spanish setting(12) Espanha Computers Informatics Nursing Qualitativo, Descritivo 2015
E8 - Using social media for continuous professional development(13) Inglaterra Journal of Advanced Nursing Editorial 2015

Identificou-se predomínio de produções no ano de 2015 (37,5%), seguido dos anos de 2012 com (25%), 2006, 2010 e 2014 (12,5%), respectivamente. Com relação ao tipo de revistas, todas são da área de enfermagem. Os estudos encontrados são todos em língua inglesa. No que se refere ao delineamento dos estudos, evidenciou-se uma predominância de estudos de abordagem qualitativa (75%), seguido de estudos quanti-qualitativos (25%).

Deve-se ressaltar a dificuldade na identificação do delineamento e tipo metodológico nas produções selecionadas para compor a amostra. Em relação à força de evidência, dois estudos relatam opinião de especialistas e um é relato de experiência, caracterizando-se como nível de evidência VI; cinco são estudos descritivos, caracterizados com o nível de evidência IV. Estes resultados demonstram que quando relaciona-se blog e ensino em enfermagem, encontram-se poucas produções, com baixa classificação no nível de pesquisa. Isso pode ser atribuído à inovação no uso dessa ferramenta como tecnologia educacional pela enfermagem.

Após leitura, análise e síntese dos principais achados dos estudos, os temas que emergiram foram agrupados em duas categorias, a saber: Categoria 1- Interface teórica para construção e utilização de mídias sociais; Categoria 2- Saberes e práticas dos enfermeiros no uso do blog, conforme apresentado no Quadro 2 que se segue.

Quadro 2 Categorias e síntese do conhecimento dos estudos selecionados. Rio de Janeiro 2016. 

Categoria/Ênfase Principais Achados Estudo
1 - Interface teórica para construção e utilização de mídias sociais (Teórica) Uma massa crítica de competências e conhecimento pode se desenvolver em torno de um blog. Devem ser planejados para disseminar as melhores práticas em Enfermagem, com propósito claro e informativo. Podem conter artigos, resenhas de livros para incentivar o debate, links para outros blogs ou organizações afins. A utilização cada vez maior de dispositivos móveis (smartphones e tablets) revela talvez uma tendência à utilização de micro-blogging com postagens mais curtas e interação em tempo real. A mídia social pode ser usada para o desenvolvimento contínuo do profissional de enfermagem. E2, E3, E8
2 - Saberes e práticas dos enfermeiros no uso do blog (Prática) A participação em comunidades virtuais pode melhorar a prática profissional através da reflexão e do debate. Requer competências em tecnologias de comunicação em informática, que devem ser incluídas nos cursos de graduação de Enfermagem. Blog é um meio fácil para se conectar professores e alunos em atividades de ensino e aprendizagem, através de reflexão crítica e diálogo. Serve para criação de grupos de estudo, evitando deslocamentos e economizando tempo no ambiente online. Estimula a colaboração e fortalece laços profissionais. Educadores utilizam o blog como um canal para refletir, partilhar e discutir ideias com fins educacionais. Alunos podem utilizar o blog para publicar seus próprios trabalhos, discutindo em grupo e realizando revisão por pares nos trabalhos dos outros. Compartilham sucessos, desafios e novos conhecimentos. E1, E4, E5, E6, E7

DISCUSSÃO

Para além de sua definição, o blog é bem mais que apenas um diário pessoal publicado na internet. Possui potencial para a interatividade, conectando um sem número de pessoas. Utilizado como ferramenta para a educação continuada, permite disseminar conhecimento, estimular a participação e colaboração entre profissionais.

A aplicação das mais recentes tecnologias de informação para a educação aproveita a crescente disponibilidade de acesso à Internet (usando fibras ópticas, Wi-Fi e tecnologia de telefonia móvel 3G/4G), permitindo uma ampla utilização dos conteúdos em diversas configurações (casa, locais de trabalho e locais públicos tais como bibliotecas, parques e pontos de Internet).

As vantagens de entrega de um programa de ensino à distância são facilmente reconhecidas: baixos custos, distribuição generalizada, aumento da acessibilidade à informação, atualizações de conteúdo frequentes e instrução personalizada em termos de conteúdo e ritmo de aprendizagem são alguns dos benefícios mais citados14.

Existem muitas vantagens em se utilizar um blog como tecnologia educacional. Entre elas o desenvolvimento de habilidades de comunicação, gerenciamento e pesquisa. É um método que promove a organização do discurso, incentiva o debate e favorece a criação de comunidades de aprendizagem15. Também pode ser útil para atualização de informações no contexto clínico. Promove a comunicação entre profissionais. Enfermeiros podem utilizar essa tecnologia para facilitar o ensino e a aprendizagem em uma variedade de configurações de cuidados em saúde16.

Com o crescimento do uso de mídias sociais, vê-se uma maior interação, ou vê-se, como alguns sugerem, simplesmente o uso das mídias sociais como um conjunto de "canais de difusão" por muitas pessoas que os utilizam. Engelen citado por Murray8, por exemplo, que investiu energias consideráveis em usar e explorar meios de comunicação sociais, sugere que a mídia social "ainda é usada principalmente como um canal de envio e não como um corredor de duas vias" por muitos dos hospitais na Europa que tenham desenvolvido sua utilização.

Sobre as tendências de longo prazo, Murray8 analisa o fato de que o acesso à Internet para muitas pessoas, em muitos países, é cada vez maior por meio de dispositivos móveis (smartphones, tablets) em vez de computadores "convencionais" de mesa e laptops com teclados de tamanho normal, sendo possível começar a ver um movimento no sentido de se trabalhar com textos menores, mais convenientes para estes equipamentos8.

Manter um blog ativo é crucial para o sucesso de sites de blog. Para manter blogs, o conteúdo deve ser atualizado diariamente. Blogueiros e outros usuários são obrigados a publicar o conteúdo regularmente, e outros usuários do blog devem visitar e fazer comentários com frequência. Depois que os usuários revisitam e constantemente dão respostas, o uso do blog torna-se habitual e o nível de envolvimento de seus usuários aumenta17.

Globalização e tecnologia da informação e comunicação (TIC) continuam a mudar o mundo em que se vive. A enfermagem está em um momento oportuno, onde questões globais de saúde desafiadoras, escassez de força de trabalho internacional e crescimento maciço das TIC se combinam para criar um espaço muito original para liderança e intervenção de enfermagem. As oportunidades oferecidas pelas TIC podem ser maximizadas por enfermeiros para aumentar a eficiência, equidade e qualidade dos cuidados de saúde, diminuindo ao mesmo tempo o impacto das distâncias geográficas.

A prática de informática está rapidamente se tornando parte da competência esperada de cada enfermeiro e, portanto, está se tornando não só uma responsabilidade de cada enfermeiro, mas como uma oportunidade para cada enfermeiro. Como enfermeiros, têm-se a oportunidade de renovar e inovar, de conduzir a evolução de uma forma que promova a saúde para todos18.

Os enfermeiros estão em posição de conduzir o desenvolvimento da ciência nesta área, uma vez que muitos aspectos dos cuidados de enfermagem são naturalmente passíveis de entrega virtual, especialmente nas áreas de avaliação, ensino paciente, de apoio à decisão e identificação precoce de problemas (19.

O uso de tecnologia da informação em saúde está crescendo exponencialmente e enfermeiros precisam estar preparados. Estudantes de enfermagem continuam a se formar sem uma preparação adequada para o uso dessas tecnologias. Educadores de enfermagem precisam abraçar as competências existentes e incluir atividades que irão preparar os alunos para usar tecnologias de informação em saúde, que irão resultar na transformação clínica20.

A paisagem no ensino superior de fato mudou, e essas mudanças irão moldar a maneira como o ensino de enfermagem é entregue, para preparar a próxima geração de enfermeiros. A enfermagem, em comparação com outras profissões da saúde, é muitas vezes vista como um das primeiras a adotar inovações educacionais21. Preparar os professores e alunos para usar apropriadamente a tecnologia em suas atividades de ensino e aprendizagem é um precursor essencial para a sua utilização. Competências em tecnologia e informática para enfermeiros devem ser consideradas no planejamento de programas de educação em saúde, para ser capaz de transformar a enfermagem e os cuidados de saúde 22.

CONCLUSÃO

Devido ao grande alcance das tecnologias da informação e comunicação, as distâncias e o tempo vêm sendo encurtados. A enfermagem precisa tomar posse dessas novas tecnologias para o alcance do maior número possível de profissionais e grupos de interessados em assuntos relacionados ao cuidado em saúde. A utilização do blog como ferramenta educacional pode transformar a aprendizagem. Possui potencial para gerenciar o cuidado individual, informar a população e compartilhar o conhecimento entre os profissionais. A colaboração entre profissionais e a educação continuada em enfermagem pode tornar-se mais rápida e participativa, gerando resultados positivos para a prática assistencial.

Educadores de enfermeiros necessitam tomar medidas para adaptar o currículo, para o desenvolvimento de competências que possibilitem o uso das tecnologias disponíveis, a fim de melhorar a aprendizagem.

REFERENCIAS

1. Arone EM, Cunha ICKO. Avaliação tecnológica como competência do enfermeiro: reflexões e pressupostos no cenário da ciência e tecnologia. Rev bras enferm. [Internet]. 2006 jul-ago [citado em 07 dez 2016]; 59: 569-72. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/reben/v59n4/a19v59n4.pdfLinks ]

2. Mather C, Cummings E. Mobile learning: a workforce development strategy for nurse supervisors. Stud Health Technol Inform. 2014; 204: 98-103. PubMed; PMID 25087534. [ Links ]

3. Kline D, Burstein D. Blog! how the newest media revolution is changing politics, business and culture. New York: CDS Books; 2005. [ Links ]

4. Price B. Disseminating best practice through a web log. Nursing Standart [Internet]. 2010 Mar [cited 2016 Dec 07]; 24(29): 35-40. Available from: http://journals.rcni.com/doi/pdfplus/10.7748/ns2010.03.24.26.35.c7568Links ]

5. Okabe M. O que é um blog e para que serve? [Internet]. 2009 mai 13 [citado em 08 dez 2016]. Disponível em: http://www.konfide.com.br/artigos/marketing-online/o-que-e-um-blog-e-para-que-serve/Links ]

6. Mendes KDS, Silveira RCCP, Galvão CM. Revisão integrativa: método de pesquisa para a incorporação de evidências na saúde e na enfermagem. Texto & contexto enferm [Internet]. 2008 [citado em 08 dez 2016]; 17(4): 758-64. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/tce/v17n4/18.pdfLinks ]

7. Stetler CB, Morsi D, Rucki S, Broughton S, Corrigan B, Fitzgerald J, Giuliano K, Havener P, Sheridan EA. Utilization-focused integrative reviews in a nursing service. Appl Nurs Res. 1988 Nov; 11(4): 195-206. PubMed; PMID 9852663. [ Links ]

8. Murray P. You can lead a horse to water, but you can't make it blog. Different seas, same boats? Column. Online J Nurs Inform [Internet]. 2012 [cited 2016 dec 08]; 16(1): 58-60. Available from: http://ojni.org/issues/?p=1255Links ]

9. Shaffer SC, Lackey SP, Bolling GW. Blogging as a venue for faculty development. Nurs Educ Perspect. 2006; 27(3): 126-9. [ Links ]

10. Lin KY, Shen YF. The nursing students' attitude toward using blogs in a nursing clinical practicum in Taiwan: a 3-R framework. Nurse Educ Today. 2013 Sept; 33(9): 1079-82. PubMed; PMID 22520239. [ Links ]

11. Reed SJ, Edmunds D. Use of a blog in an undergraduate nursing leadership course. Nurse Educ Pract. 2015 Nov; 15(6): 537-42. PubMed; PMID 26299700. [ Links ]

12. Brito-Brito PR, Rodríguez-Álvaro M, Romero-Sánchez JM, Santillán-Garcia A, Paloma-Castro O, Fernández-Gutiérrez DÁ. Blogged nursing analysis of the phenomenon and contextualization in the spanish setting. Comput Inform Nurs. 2015 Feb;33(2):63-70. PubMed; PMID 25521787. [ Links ]

13. Moorley C, Chinn T. Using social media for continuous professional development. J Adv Nurs. 2015 apr; 71(4):713-7. Disponível em: http://onlinelibrary.wiley.com/doi/10.1111/jan.12504/epdfLinks ]

14. Wentling TL, Waight C, Gallagher J, La Fleur J, Wang C, Kanfer A. E-learning: a review of literature. University of Illinois at Urbana-Champaign; 2000; 9: 1-73. Available from: http://learning.ncsa.uiuc.edu/papers/elearnit.pdfLinks ]

15. Lara T. Blogs para educar: usos de los blogs en una pedagogía constructivista. Revista TELOS [Internet]. 2005 out [citado 08 dic 2016]; 65: 86-96. Disponible en: https://telos.fundaciontelefonica.com/telos/articulocuaderno.asp@idarticulo=2&rev=65.htmLinks ]

16. Billings DM. Wikis and blogs: consider the possibilities for continuing nursing education. J Contin Educ Nurs. 2009 Dec; 40(12): 534-5. PubMed; PMID 20000260. [ Links ]

17. Shiau WL, Luo MM. Continuance intention of blog users: the impact of perceived enjoyment, habit, user involvement and blogging time. Behav Inf Technol [Internet]. 2013 Jun [cited 2016 Dec 07]; 32(6): 570-83. Available from: http://www.pacis-net.org/file/2010/S20-02.pdfLinks ]

18. Abbott PA, Coenen A. Globalization and advances in information and comunication technologies: the impact on nursing and health. Nurs Outlook. 2008; 56(5): 238-46.e2. PubMed; PMID 18922277. [ Links ]

19. Schlachta-Fairchild L. International competencies for telenursing. Geneva: International Council of Nurses; 2007. [ Links ]

20. Gassert CA. Technology and informatics competencies. Nurs Clin North Am. 2008;43(4):507-21. PubMed; PMID 18940408. [ Links ]

21. Skiba DJ, Connors HR, Jeffries PR. Information technologies and the transformation of nursing education. Nurs Outlook. 2008; 56(5): 225-30. PubMed; PMID 18922273. [ Links ]

22. Weiner EE. Supporting the integration of technology into contemporary nursing education. Nurs Clin North Am. 2008; 43(4): 497-506. PubMed; PMID 18940407. [ Links ]

Recebido: 14 de Dezembro de 2016; Aceito: 07 de Abril de 2017

Creative Commons License Este es un artículo publicado en acceso abierto bajo una licencia Creative Commons