SciELO - Scientific Electronic Library Online

SciELO - Scientific Electronic Library Online

Referências do Artigo

VASCONCELOS, C.M. da C.B; BACKES, V.M.S.  e  GUE, J.M.. La evaluación en la enseñanza de grado en enfermería en América Latina: una revisión integrativa. Enferm. glob. [online]. 2011, vol.10, n.23, pp.96-117. ISSN 1695-6141.  http://dx.doi.org/10.4321/S1695-61412011000300008.

    1. Luck G. Avaliação-termômetro da educação. Revista Profissão Mestre. 2002; 2(12):14-17. [ Links ]

    2. Ito EE, Peres AM, Takahashi RT, Leite MMJ. O ensino de enfermagem e as diretrizes curriculares nacionais: utopia x realidade. Rev Escola Enfermagem USP. 2006; 40(4):570-575. [ Links ]

    3. Ministério da Educação (BR). Resolução CNE/CES no. 3, de 07 de novembro de 2001. Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Enfermagem. Brasília (DF): Diário Oficial da União; 2001. [ Links ]

    4. Lopes Neto D, Teixeira E, Vale EG, Cunha FS, Xavier IM, Fernandes JD et al. Aderência dos cursos de graduação em enfermagem às Diretrizes Curriculares Nacionais. Rev Bras Enferm. 2007; 60(6):627-34. [ Links ]

    5. Demo P, Hoffmann J, La Taille Y. Grandes pensadores em educação: o desafio da aprendizagem, da formação moral e da avaliação. 3. ed. Porto Alegre: Mediação; 2001. [ Links ]

    6. Ganong LH. Integrative Review of Nursing Research. Res Nursing Health. 1987; 10(1):1-11. [ Links ]

    7. Bordenave JD, Pereira AM. Estratégias de ensino-aprendizagem. 25. ed. Petrópolis (RJ): Vozes; 2004. [ Links ]

    8. Silva RPG, Rodrigues RM. Mudança curricular: desafio de um curso de graduação em enfermagem. Rev Bras Enferm. 2008; 61(2): 233-8. [ Links ]

    9. Barros MA, Cyrillo CCP. A dramatização como recurso no processo ensino-aprendizagem na disciplina de história da enfermagem. Cogitare Enferm. 2006; 11(1): 44-49. [ Links ]

    10. Laluna MCMC, Ferraz CA. Finalidades e função da avaliação na formação de enfermeiros. Rev Bras Enferm. 2007; 60(6): 641-5. [ Links ]

    11. Tanji S, Silva CMSLMD. As potencialidades e fragilidades do portfólio reflexivo na visão dos estudantes de enfermagem. Rev. Enferm UERJ. 2008; 16(3): 392-8. [ Links ]

    12. Reibnitz KS, Prado ML. Processo de trabalho, processo educativo e formação em enfermagem. In: Reibnitz KS, Prado ML, organizadores. Inovação e Educação em Enfermagem. Florianópolis: Cidade Futura; 2006. p. 79-108. [ Links ]

    13. Perrenoud P. Avaliação: da excelência à regulação das aprendizagens. Porto Alegre: Artes Médicas Sul; 1999. [ Links ]

    14. Santos I. Rev. Enferm UERJ. 2007; 15(1):113-8. [ Links ]

    15. Freire P. Pedagogia do oprimido. 29. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra; 2005. [ Links ]

    16. Munari DB, Oliveira NF, Fernandes CNS. O modelo de educação de laboratório na formação do enfermeiro: avaliação do graduando de enfermagem. Rev. Enferm UERJ. 2006; 14(3): 385-90. [ Links ]

    17. Prado ML, Reibnitz KS, Gelbcke FL. Aprendendo a cuidar: a sensibilidade como elemento plasmático para formação da profissional crítico-criativa em enfermagem. Texto & Contexto Enferm. 2006; 15(2):296-302. [ Links ]

    18. Hoffmann J. Avaliação-mito e desafio: uma perspectiva construtivista. 39. ed. Porto Alegre: Mediação; 2008. [ Links ]